segunda-feira, 13 de setembro de 2010

CORES NA MINHA VIDA

Minha mãe me ensinou desde muito pequena, que para saber delegar funções, era necessário saber executar e fazer bem feito o trabalho designado. Mesmo aos prantos, comecei como ajudante de cozinha de minha casa aos 12 anos. Era terrível! Quanto sofrimento. Enquanto minhas amigas brincavam de “rouba –bandeira” bem na porta de minha casa nas manhãs de domingo, eu tinha que lavar alface, descascar batatas, (dentre outros serviços coadjuvantes) para o preparo do almoço. Minha única alegria era saber que era domingo sim, e domingo não. O “domingo não” referia-se ao dia de minha irmã... como sonhei naquela época em ter pelo menos 8 irmãos para que minha função fosse realizada a cada 02 meses. Como só tive uma irmã, era a cada 15 dias mesmo. Fazer o que.
À medida que fui crescendo, minhas funções aumentavam. Subi de cargo não pela experiência e por ter incrementado meu currículo de cozinheira, mas sim, porque já tinha idade suficiente de passar de mera ajudante à Chef oficial dos domingos. Nem tinha saído ainda da minha adolescência, e já era responsável pelo cardápio dominical. Continuava o domingo sim e o domingo não.
Demorei muito tempo para entender o bem que minha mãe estava fazendo na minha vida. Anos mais tarde, percebi que amava aquela função e como cozinhar tornou-se um prazer em minha vida.
Já na Casinha, a cozinha mereceu toda minha atenção. Não queria uma cozinha para exercer simplesmente a função. Queria mais do que isso: queria um lugar de estar, conviver, onde as conversas ganham destaque e prolongam no mesmo tempo de cocção de um prato e outro. É oficialmente o lugar onde gosto de ficar e receber. A comida, assim como a decoração, traz uma sensação de aconchego.
No meu jeito de morar, minha cozinha foi idealizada com uma mesa antiga de jacarandá ao centro e duas cadeiras, daquelas com ar Vintage, da época de escola comprada por uma ninharia na Rua Itapecerica. Como foi gostoso sair a procura, garimpar, sonhar. O charme ficou por conta das cores: obviamente uma pintei de amarelo e a outra de coral. Cores quentes, cores bem humoradas. Para este lugar de estar, vale também cortinas xadrezinhas debaixo da bancada de preparo, igual a da casa da Vovó, brincando em um composê floral na porta que abre para o meu jardim. Este prolongamento da cozinha é bem vindo nos dias de casa cheia de gente, cheia de alegria. Meu quintalzinho gostoso com direito a tudo, até a um pé de ora-pró-nobis!
Adoro sentar para tomar o meu café da manhã e ver minhas plantinhas. Adoro chegar à noitinha e cuidar com muito carinho, com muita vontade, acompanhar o crescimento de cada uma delas, ver o desabrochar de cada flor que com esses dias em que o inverno já está de saída, tem permitido entrar mais sol, mais luz. A chuvinha que promete chegar logo depois do início da primavera, ainda nesse mês de setembro, vai trazer as cores da estação e quero muito contemplar a chuva mansa da minha cadeira amarela.

2 comentários:

Dri disse...

Zi, sua casinha!!!!!! Está linda demais! Bom gosto é não falta né amiga. Ficou muito bacana o blog e além de ser informativo pode ajudar quem não é do ramo a ter idéias para o lar. Beijocas! saudades... Dri

Maysa disse...

Sua casa é realmente um lar, lar doce lar.
Parabéns pela decoração!
Tudo muito lindo!

maysameudocelar.blogspot.com