quarta-feira, 14 de setembro de 2011

MISS IMPERFEITA

(Texto na Revista do Jornal O Globo- Martha Medeiros - Jornalista e escritora )

"Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes. Sou a Miss Imperfeita, muito prazer. A imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe, filha e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado, decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, marido (se tiver), telefono sempre para minha mãe, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos e ainda faço as unhas e depilação!
E, entre uma coisa e outra, leio livros.
Portanto, sou ocupada, mas não uma workholic.
Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.
Primeiro: a dizer NÃO.
Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO. Culpa por nada, aliás.
Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.
Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros...
Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.
Você não é Nossa Senhora.
Você é, humildemente, uma mulher.
E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante. Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo.
Tempo para fazer nada.
Tempo para fazer tudo.
Tempo para dançar sozinha na sala.
Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.
Tempo para sumir dois dias com seu amor.
Três dias..
Cinco dias!
Tempo para uma massagem.
Tempo para ver a novela.
Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.
Tempo para fazer um trabalho voluntário.
Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.
Tempo para conhecer outras pessoas.
Voltar a estudar.
Para engravidar.
Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.
Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.
Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.
Existir, a que será que se destina?
Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.
A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.
Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si.
Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!
Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.
Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.
Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.
E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante."

23 comentários:

Essa sou eu disse...

A.M.E.I!!!!
Os textos da Martha Medeiros são, simplesmente, o máximo!
Obrigada por compartilhar.
Beijo:)
Janice

Imac by Artes disse...

Que texto formidável!
Martha medeiros escreve de uma forma contagiante...Ótima escolha!
Abraços! Uma noite linda pra ti.

Uma parte de mim disse...

SIMPLISMENTE TEXTOS APAIXONANTES!
DIVULGUEI NO FACE,BJINHOS.

Arq. Danubia Farias disse...

Oi Zi... ja conhecia esse texto da Marta...e até ja usei esse texto p/ falar na minha terapia...rsrsrs...muito bom..
ela é ótima né...e até ja usei esse texto p/ falar na minha terapia...rsrsrs...muito bom..bjsss

http://www.arqdanubiafarias.blogspot.com/

CasaMila disse...

Ameiiii
d+

vou imprimir pra minha mae...

ela precisa aprender a dizer não.
isso eu já sei..rs

Bjsss

Maria Luiza disse...

Olá
Este texto deveria ser lido por todas as mulheres, ótimo para refletir como se está vivendo...
Beijos,

Elisangela disse...

Oi Zi,
que texto maravilhoso. òtima reflexão.

Beijos
http;//ursulinovollet@hotmail.com/

Silvia disse...

Muito bom. Mas, realmente, sem batonzinho depois dos 40 - não dá. Afinal, nem a Carolina Ferraz escapou de se desprender (e se despedir) da 'carinha lavada'... rsss...bjsss...

remall disse...

texto fantastico !muito bem escrito pois no começo nos dá a curiosidade , no meio a certeza, e no final a tranquilidade de saber que somos apenas mulheres, prontinhas para a felicidade.

as mudinhas já estão a caminho da raja, não me esqueci de vc, viu !

ALCENA C V C disse...

Um texto muito bom,realidade,
humor a nossa vida mulher!
bjs amadinha tenha dias lindos
com tempo pra tudo e abençoado!

http://alcenacvc.blogspot.com/

http://www.facebook.com/alcena.cvc

Priscila Oliveira disse...

Adorei!!!!
bjs...

jeito simples disse...

Excelente. Obrigada.
;)
\Q/

Carol Carneiro disse...

Zi, não sei se vc recebeu comentário (deu "biziu") daqui falando que achei super bacana matéria q/ participou Estado de Minas hj e do Encontro no sábado (eu acho q/ vou).Bem, está feito o convite! bjs: Carol Carneiro

Carol disse...

Zi, minha mãe e meu pai ficaram e ainda estão doentes de tanto trabalhar. Trabalharam muito durante a vida, não curtiram o suficiente, não construíram muitas coisas e estão do jeito que eu NÃO quero ficar. O curso que estou finalizando na faculdade tem uma carga horária de 30 horas semanais de trabalho, daí já pude idealizar meu futuro, trabalhar 6 horas no dia e poder aproveitar a vida. Quando eu trabalhava 8, 9, 10 horas no dia, meus dias passavam e eu também adoeci. Chega. Eu quero uma vida de qualidade e não estou nem aí se me disserem que sou preguiçosa. E daí? Sou preguiçosa mesmo, morro de preguiça de ficar doente de tanto trabalhar.
Adorei o texto.
Beijos

Carolina Lima disse...

Zi,
eu sou suspeita para comentar porque eu simplesmente AMO os textos da Martha Medeiros.
Ela consegue expressar o qye fica 'entalado' em nós, mulheres!

"Você é, humildemente, uma mulher."

Um grande abraço,
Carol :)
http://www.umblogsimples.com

Teto Doce disse...

Oi Zi adorei o texto. Demais!!!!

beijinhos,

Regina disse...

Bom dia!

Ótimo texto. Acredito q muitos homens ganhariam muito lendo e compreendendo esse texto.

Um ótimo final de semana pra você Zi.

Fabiana Tardochi disse...

Amo esse texto!
Porque me identifico muito com ele. Abri mão de muitas coisas para ser o que sou hoje:)
Um beijo e um lindo final de semana

Folha em Branco disse...

Esse texto pra min é o máximo, li pela primeira vez na revista Claudia, que amo. Não tem como não ficar encantada com esse texto. Bjs Eliane

c r i s disse...

Zi, que coisa boa esse texto...adoro a Martha. Esse é meu objetivo ser independente o suficiente para ser dona do meu tempo... ainda chego lá! Bjim:)

Mulher Multifacetada in disse...

Esse texto disse exatamente o q eu precisava dizer.. é fato q nós mulheres estamos acumulando funções queremos fazer td e nos culpamos qdo não conseguimos, precisamos nos dar o direito de não fazer nada.
Bjos
Maysa

Sandra Loffreda disse...

Penso sempre (quase diariamente) no que é realmente importante p mim.

E, normalmente, chego a conclusão que o tempo é tudo...o resto é ilusão.

Beijão, florzinha...ótima quinta-feira p vc!

anna kardenia disse...

Oi Zi,adoro seu blog e hoje pela manhã esse texto deu uma sacudida em mim ,obrigada.bjs