domingo, 12 de fevereiro de 2012

OBSERVATÓRIO

Comecei a preparar a mala já tarde pra quem ia pegar a estrada bem cedo no dia seguinte. O bom que é que estou aprendendo a simplificar. Seriam apenas quatro dias no Rio e o guarda roupa não precisava estar todo, inteiro dentro de uma mala tamanho médio. Ainda mais para uma cidade que necessita de usar pouca roupa. Levei na bagagem apenas 01 vestido, 01 short, 02 camisetas, 01 saia, 02 opções de saídas de praia e várias opções de biquinis. Esses sim, permiti algum exagero. Peças pequenas que caberiam em qualquer cantinho. Eu precisava estar bem vestida para o programa principal: a praia, o céu azul e o calçadão.

Mas o fato é que a praia só foi pretesto. Gosto de conhecer os lugares por onde ando, vasculhar o desconhecido e fazer programas de turista sim, mas também permito o inusitado, viver o encantamento não imaginado. E de fato foi assim. Depois de várias tentativas frustadas, consegui nesse verão voltar no Cristo Redentor. Foi lá de cima que pude apreciar em um giro de 360 graus cada pedacinho dessa cidade linda onde o verão acontece.

No domingo pela manhã, dispensei o café do hotel, que cá entre nós era muito ruim ( aliás dispensei todos os dias!) e fomos para o Parque Lage, aos pés do Corcovado. Uma propriedade generosa datada de 1800, um casarão de estilo Eclético com um pórtico proeminente na fachada e um pátio central com piscina, onde ao redor dela, várias sombrinhas brancas filtravam a luz daquele dia de céu extremamente azul. Como hoje abriga a Escola de Artes Visuais, pude ainda encantar-me com as obras de artes em exposição.

Mas o melhor foi a saideira no Bracarense, típico bar carioca no Leblon, lugar esse que me atrai de montão! Foi lá que pude grudar meus olhos e ouvidos na mesa ao lado, onde pude bisbilhotar um história deliciosa entre pai e filha.
Ele chegou com pelo menos 01 hora de antecedência do tal encontro. E falando sem parar ao celular, combinava com outra pessoa o desfecho da história. O combinado era que assim que ela chegasse ( sua filha) ele enviaria uma mensagem e o outro envolvido na história chegaria como quem não quer nada, apenas uma coincidência de encontro. E depois de pelo menos três chopes para disfarçar a ansiedade, vejo brotar um sorriso largo naquele homem de meia idade parecendo criança olhando para a esquina mais próxima. E de fato era ela: linda, loira e depois pude comprovar que era muito doce. Muitos abraços e muita cumplicidade que inebriaram meu olhar. Prestei atenção em tudo: falaram sobre trabalho, família, amores, estudos, projetos do novo ano, ...foi quando chega o tal fulano envolvido na trama. E é ele que traz a boa nova do ano: um apartamento para a "filhinha", era assim que ele carinhosamente a chamava.
A verdade é que fiquei ali observando histórias alheias, mas não pude deixar de comprovar através daquele pai que tinha traços no rosto semelhantes aos de Vinícios de Morais, os olhos brilhando para uma filha que nem o pôr -do -sol em alto mar.
Deixei essas histórias naquela mesa de bar e despedi-me do Rio com um olhar fascinante da Cidade Maravilhosa.



11 comentários:

✿ chica disse...

Observar vidas e momentos alheios é legal, nos faz pensar. Lindos lugares, belas fotos! Saudades do Rio! beijos,chica

SHEYLA - DMULHERES disse...

Zi, que legal que você "curtiu" seus dias, naquela cidade pra lá de deslumbrante, de maneira tão inteligente! É bom ter olhos pra observar a beleza da vida em outras pessoas, gosto disso!
Um bjão, grata pela visitinha por lá.
Boa semana, bom carnaval!

Angela Bergamaschi disse...

fui ao ha mais de 20 anos, agora morro de vontade de voltar com minha filha mais nova, to pensando se der nesse ano ainda...adorei tudo que vi ...bjos

Eva disse...

Zi, teus textos são encantadores, fico viajando em cada palavra, quanta sensibilidade,e neste, vi um olhar apaixonado e apaixonante para o Rio de Janeiro, parabéns, bjos querida. uma semana perfeita para vc.

Flavinha Gomes disse...

Que texto gostoso, Zi. Parabéns. Bjus

coresdocaminho - Alice disse...

OI Zi, que fugidinha mais gostosa heim? Lindo passeio, muito bom aproveitar esses momentos que nos fazem felizes.
Bjs flor e otima semana

Cris e Nai disse...

Olá Zi, Que observação gostosa, também sou assim gosto de observar a natureza, as curiosidades alheias, e tudo que está em minha volta, belíssima fugidinha!

Talita Medina disse...

Zi, vim retribuir a sua vistinha!! Adorei o blog!! e que texto lindo!

remall disse...

muitas vezes quando observamos e escutamos a "vida alheia" nos pegamos em nossos próprios sonhos.

Estou progamando uma viagem dessas em breve.

Anabela Jardim disse...

que bom que você aproveitou até os últimos segundos na cidade maravilhosa!

Eliane Duwe disse...

Que lugares lindos Zi... bjs