domingo, 10 de agosto de 2014

Zi na TV





Passei a infância inteira assistindo tv P&B. Preto e branco e mais 297 milhões de tons de cinza. Não eram apenas esses 50 tons dos dias atuais. Sonhava em ser o Teco, da dupla Tico e Teco. Sonhava, porque um belo dia, descobri que o seu nariz era vermelho. Aí, tudo mudou!

Um dia quis ser a Penélope Charmosa. Mas a vontade passou rápido. Eu não tinha  e nem sonhava em ter aquele cabelão loiro, nem era esguia e quanto menos charmosa. Nem tanto gostava do tom rosa. Minha cor é amarelo e ponto final. É melhor dar tchau para ela!

Na adolescência queria ser a Lídia Brondi, ou melhor, a sua personagem Solange na novela Vale Tudo. Amava com todas as forças do mundo seu cabelo vermelho e aquela franja reta. Amava o jeito como ela os prendia com simpatia e charme. Amava vê-la de um jeito todo moderno, queria sua profissão na novela e queria ser ela de todo jeito. Inteira, do jeito lindo que ela desfilava na tv. Nessa época, Graças a Deus, em cores.
Mas o fato é que minha mãe não permitiu que eu pintasse o cabelo. Na verdade, eu nem pedi. Levar um xingo desnecessário para quê? Melhor sonhar mesmo. O máximo que eu consegui foi cortar a franja. Só que a minha não ficava lisinha como a dela pelo simples fato do meu cabelo ser anelado. Nessa época não existia chapinha e quanto menos escova progressiva. Por um dia, tive os cabelos lisos, enrolados na touca e na cor castanho mesmo. E lá fui eu, serelepe pelas ruas me achando demais a Lídia Brondi, cheia de atitude.

Agora para tudo! Quem nunca, sonhou em ser Paquita? Quarentonas de plantão, assumam essa verdade em coro bem alto!

Nos dias atuais, se eu fizer uma auto- regressão, tenho certeza ABSOLUTA que já vivi na década de 20. E, claro, era rica! Morava no bairro Jardim Paulistano em São Paulo e admirava o jardim através das janelas com desenho Art Deco. Costumava passar o outono em Paris e nessa época eu já freqüentava o Café de Flore.

Em tempos de Downton Abbey já desejei ser a Lady Mary. Pela sua coragem, auto confiança e atitude. Mas já não quero mais. Agora queria ser a Lady Edith, tudo mudou no pós guerra. Ouvi dizer que ela vai virar uma intelectual e freqüentar as melhores rodas da Semana de Arte. Mas não quero saber de mais nada, não perco por esperar! Ninguém me conta, ok? Mas imagino que ela vai para Paris, e no Café Les Deux Magots vai conhecer o casal Fitzgerald e se animar com o irreverente Salvador Dali. Só fico imaginando... Pode não ser nada disso!


Quinta temporada, que dia você chega? Não agüento esperar tanto tempo!

11 comentários:

✿ chica disse...

Que lindo passeios pelos sonhos e programas , personagens ,vistos na tv! uma linda semana,bjs, chica

remall disse...

Ai, Zi, todas nós já fomos várias "coisas" desde as mais lindas as mais estranha e nessa nossa vida que já virou meio que passado já vivemos na pele e na vida de tantos personagens, sejam eles da Tv ou da nossa louca e romântica imaginação.
Agora, em tempos de Downton Abbey , nada posso compartilhar com vc, pois só assisti a um único capítulo pois por aqui na Querência não tenho TV a cabo e tv não é bem a minha "praia " rsrsrs mas tenho que te apresentar a uma amiga que morre de amores pela série. Beijos, beijos

Maria Célia disse...

Oi Zizi
Vou preferir a ida para Paris no outono e ir até o Café de Flore, ou quem sabe, eu opte por Paris, no Le Deux Magot, esperar pelo casal Fitzgerald.
Nunca assisti um capítulo deste seriado.
Um beijo.

Zi Faleiro disse...

Olá Regina! Quero muito trocar figurinhas de Downton Abbey com sua amiga! Beijos!

Zi Faleiro disse...

Ei Maria Célia! Eu também quero ir pra Paris! Beijos!

Angela Bergamaschi disse...

que delicia . tb quero ir a paris.quem sabe um personagem do filme Meia noite em Paris..rs

Ellen Caliseo disse...

Não sou quarentona, mas tb já sonhei em ser paquita. Na época da novela mulheres de areia com a Glória Pires, achava lindo o jeito que ela pegava o cigarro e fumava com aquela boca vermelha, mas só achava ousado, nunca coloquei um cigarro na boca. Temos cada sonho, não é? As vezes me pego pensando na infância, é tão bom.
Quero conhecer Paris, pelo simples fato de ser Paris, nem precisa de argumentos, né?
Bjks!

Zi Faleiro disse...

Paris nunca precisa de argumentos meninas! Obrigada pela visita de todas!

Tatiana Amaral disse...

Zi... conta ai sobre "quase ser Paquita"...rsrsrsrs... e os ensaios na casa da Lu!! KKKK... ainda bem que os sonhos mudam, né??? Bjcas

Nina Sena disse...

Ahhh quem nao queria ser a Lidia Brondi nessa novela? ela era demais!!!!!!!

há umas personagens tao marcantes e há tantas maravilhosas séries, que ahhhh, que vontade que dá, ne?

Que bom te ver de volta, Zi!

Zi Faleiro disse...

Olá Nina! Obrigada pela visita! Eu também queria ser tantas na ficção!!! ; ) beijos